top of page

O direito de visitas do pai em período de amamentação


amamentação

 

Introdução

 

O universo do Direito de Família se desdobra em questões sensíveis e íntimas, permeadas por relações emocionais, afetivas e, sobretudo, pela preservação do bem-estar das crianças.

 

No contexto de separações e divórcios, surge um tema complexo: o direito de visitas do pai durante o período de amamentação, no qual os interesses parentais se entrelaçam com o direito fundamental da criança a uma convivência saudável.

 

O Direito de visitas durante a fase de amamentação

 

O direito de convivência entre pais e filhos é reconhecido como essencial para o desenvolvimento emocional e psicológico das crianças, mesmo em contextos de conflitos entre os genitores. A criança, como uma individualidade única, necessita dessa convivência para seu desenvolvimento autônomo e seguro.

 

É crucial compreender que, apesar das divergências entre os pais, a convivência é a base para o amor, solidificando-se nas dificuldades cotidianas. Assim, o simples fato de um bebê estar em fase de amamentação não exclui o direito à convivência do pai, embora possa impor restrições à remoção da criança por longos períodos.

 

A legislação brasileira, notadamente o Código Civil, advoga pela igualdade de direitos e deveres entre os genitores, enfatizando a importância da convivência equilibrada com ambos.

 

Nesse contexto, a promoção dos interesses da criança deve ser a prioridade, transcendendo visões de gênero ou divergências entre os ex-cônjuges.

 

A Proteção Legal à Amamentação

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza o aleitamento materno como alimentação exclusiva até os seis meses e complementar até os dois anos. O amamentar, além de natural, é amparado e incentivado pela legislação brasileira, sendo essencial para o desenvolvimento físico e emocional do lactente.

 

Diante desse cenário, surge a delicada questão: como conciliar o direito de visitas do pai com a necessidade de garantir a continuidade da amamentação? A resposta a essa indagação requer uma abordagem ponderada, considerando o bem-estar da criança como parâmetro central.

 

A Delicada Questão da Amamentação em Casos de Divórcio

 

O entendimento jurídico sublinha que o direito à convivência paterna não pode ser obstado de forma absoluta pelo período de amamentação. O Judiciário, ao enfrentar casos dessa natureza, busca conciliar interesses, primando pelo superior interesse da criança. Assim, embora o bem-estar do infante seja a prioridade, a convivência com ambos os genitores é incentivada sempre que possível.

 

É fundamental compreender que não há uma proibição automática da convivência paterna, mesmo quando a criança é muito pequena. A jurisprudência brasileira se destaca pela flexibilidade na aplicação das decisões judiciais, permitindo ajustes conforme as circunstâncias familiares e as necessidades da criança evoluem.

 

Quando o Casal não Chega a um Acordo: Intervenção do Judiciário

 

Em casos de desacordo entre os pais, é impensável que o Judiciário imponha a separação mãe-filho por longos períodos durante a amamentação exclusiva. O princípio que orienta as demandas familiares é sempre o bem-estar da criança, embora decisões em sentido contrário já tenham sido surpreendentes.

 

A maioria das decisões judiciais considera a faixa etária da criança e seu desenvolvimento físico, mental, emocional e social ao determinar o regime de convivência. Em casos de bebês em fase de amamentação, as visitas paternas costumam ocorrer na residência da mãe, evitando a retirada para passeios.

 

Com o tempo e o progressivo desmame, o período de convivência com o pai pode ser estendido, permitindo que a criança passe períodos maiores longe da mãe.

 

Flexibilidade Jurídica: Adaptações às Mudanças na Dinâmica Familiar

 

A mediação e a negociação, muitas vezes conduzidas por profissionais especializados, emergem como ferramentas eficazes para alcançar acordos que atendam às necessidades de ambos os genitores e, principalmente, da criança. O estabelecimento de um plano de visitas que respeite o período de amamentação é essencial.

 

O desenvolvimento acelerado da criança requer considerações específicas na elaboração desse plano, incluindo frequência e duração das visitas, em sintonia com as necessidades do lactente e a disponibilidade da mãe. A participação de psicólogos e assistentes sociais fornece subsídios valiosos para uma análise mais abrangente das dinâmicas familiares.

 

É crucial que ambos os pais ajustem seus horários em prol da criança, preservando o contato com ambos, fundamental para que o pai compreenda e atenda às necessidades do filho durante os períodos longe da mãe.

 

Conclusão

 

O direito de visitas do pai durante o período de amamentação é uma questão delicada, demandando uma abordagem individualizada. A atuação do Judiciário deve ser pautada pelo bem-estar da criança, buscando um equilíbrio justo entre os direitos dos pais.

 

Em caso de ação judicial, é inconcebível que a separação mãe-filho seja imposta por longos períodos durante a amamentação exclusiva. A flexibilidade jurídica, aliada à maturidade dos envolvidos, é essencial para assegurar o direito de convivência paterna, respeitando sempre o desenvolvimento e as necessidades da criança.

Com o passar do tempo e com a amamentação sendo reduzida, o período de convivência com o pai vai aumentando. Depois, a criança poderá passar períodos maiores longe da mãe.


Mas repito:


Assim, tanto pai quanto mãe terão que adequar seus horários em prol da criança, preservando o contato com ambos. Isso é fundamental até para que o pai também tenha conhecimento das necessidades do filho. Dessa forma, poderá oferecer os cuidados essenciais ao seu crescimento durante os períodos longe da mãe.

Como faço para buscar ajuda especializada para lutar pelos meus direitos?


Para buscar ajuda especializada para ingressar na Justiça e lutar por seu direito, você pode contar com o escritório Maísa Lemos Advocacia e Consultoria, pois somos especializados em Direito de Família


Nós atendemos em todo o Brasil, pois o processo judicial é inteiramente eletrônico. Clique aqui e fale com nossa equipe



E você, conhece alguém que precisa saber as informações deste artigo? Então compartilhe.


Tenho certeza que ele vai ajudar muita gente.


Agora, vou ficando por aqui.


Até a próxima.



maisa lemos advogada
Maisa Lemos

Meu nome é Maisa Lemos, atuo como advogada de família e sucessões em Goiânia desde 2002 e tenho clientes em todo o Brasil.


Meu foco é o atendimento de mulheres e sempre na prevenção de litígios e o bem estar dos envolvidos, sobretudo quando há filhos menores de idade.


Sou também mãe do Davi, da Helena e da Clara.Me siga no instagram: @maisalemoss.


Lá eu posto conteúdo quase diariamente sobre direito de família e sucessões.










LEMBRE-SE: este post tem a finalidade apenas de informar. Em nenhuma hipótese substitui a consulta com um profissional do Direito. Converse com seu advogado e verifique as orientações necessárias para o seu caso específico.

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Logo Maísa Lemos
bottom of page