top of page

7 mitos sobre a pensão alimentícia

Atualizado: 13 de dez. de 2023


PENSÃO ALIMENTICIA

É comum alguns clientes chegarem até mim com conceitos equivocados sobre o pagamento da pensão alimentícia. São os chamados mitos, que são repetidos a exaustão até serem vistos como verdades. Quem nunca ouviu, por exemplo, que o direito de pensão acaba com a chegada da maioridade?


Veja esse e outros mitos sobre a pensão alimentícia.


1 - A pensão é fixada em 30% do salário


A legislação não estabelece um valor ou percentual fixo, nem mínimo para a pensão alimentícia. O que a lei prevê é que o valor deve ser fixado na proporção da necessidade de quem solicita e na possibilidade de quem paga. Assim, vários fatores podem influenciar na fixação da pensão, tanto para mais, como para menos. Um exemplo seria o fato de o filho ter necessidades médicas especiais.


2 - Após decisão do juiz, a pensão alimentícia não pode ser revista


Nada disso. Mesmo após a decisão judicial, a qualquer momento é possível entrar com pedido de revisão. Geralmente, o processo é motivado pela mudança na situação financeira de quem paga ou de quem recebe a pensão alimentícia. Portanto, é possível pedir a revisional tanto para aumentar o valor, quanto para diminuir.


3 - A obrigação da pensão termina quando o filho completa 18 anos


Esse é um dos maiores mitos envolvendo a pensão alimentícia. O compromisso com o pagamento da pensão não termina automaticamente com a maioridade do filho. E nem mesmo aos 24, quando envolver estudos. Por outro lado, também não significa que o auxílio tenha que ser pago eternamente.


A questão é que é para pagar de pagar, é preciso autorização judicial. Dependendo das circunstâncias, a maioridade por ser sim um motivo para cessar a pensão alimentícia. Isso porque supõe a independência financeira. Porém, caso o filho comprove a dependência econômica, o auxílio deve continuar sendo pago.


4 - Se tiver desempregado, o pai pode deixar de pagar a pensão


Não se deve diminuir ou deixar de pagar a pensão por conta própria mesmo no caso de desemprego. Assim, caso não cumpra o compromisso, o pai pode ser até mesmo preso. Então, quando desempregado ou sem condições por outros motivos, é preciso entrar com um pedido para revisão do valor da pensão.


5 - Pensão alimentícia é para pagar apenas os gastos com alimentação


Embora o termo nos faça remeter aos custos com alimentos, a pensão não se limita a isso. Ela tem dupla função. A primeira é a de garantir as necessidades básicas com alimentação, moradia, roupas, educação e lazer. A segunda é, quando economicamente possível, manter o padrão de vida que a criança tinha antes da separação.


6 - Se a pensão estiver atrasada, as visitas podem ser suspensas


Entre os mitos que envolvem a pensão alimentícia, esse aqui se mistura com as disputas comuns entre o ex-casal. É comum que a mãe tente estabelecer esse tipo de regra diante do não pagamento do auxílio, até como forma de negociação. Mas a dívida não deve interferir em nada nas visitas e no relacionamento dos pais com a criança.


7 - Se o pai for preso, a dívida é suspensa


A dívida não desaparece ou é perdoada caso o pai seja preso. Dessa forma, o responsável pelo filho pode continuar pedindo a penhora de bens, bloqueio em contas, protesto e etc. O pai pode, inclusive, ter um novo processo pelas pensões que venceram durante a prisão.


Conclusão sobre os mitos acerca da pensão alimentícia


Em síntese, a informação é o que vai te levar a ter melhores opões para o seu caso. E saiba que proteger os direitos de todos os envolvidos é a base para construir relações familiares sólidas e justas.


Nunca baseie sua conduta com base em informações que você "ouvir dizer" de fulaninho. Busque sempre se orientar com profissionais especialistas.


Como faço para buscar ajuda especializada para lutar pelos meus direitos?


Para buscar ajuda especializada para ingressar na Justiça e lutar por seu direito, você pode contar com o escritório Maísa Lemos Advocacia e Consultoria, pois somos especializados em Direito de Família. Clique aqui e fale com nossa equipe.


No mais, nosso escritório tem um imenso prazer em ajudar as pessoas com a divulgação de informações relacionadas a direito de família. E por isso temos em nosso site e redes sociais (@maisalemoss) informações quase diárias.


Contudo, para analisar com detalhes o caso das pessoas que nos procuram, um advogado precisa reservar um tempo na agenda, parar, ouvir, entender e, em seguida, dar a orientação necessária para o caso específico. É um trabalho que envolve responsabilidade e dedicação. Compreende?


E na verdade, muita gente não sabe exatamente como funciona o nosso fluxo de trabalho, por isso fazemos sempre questão de mostrar como é.


E se você acha que está em um momento para conversar, entre em contato conosco e agende um horário. É só clicar aqui 


Nós atendemos em todo o Brasil, pois o processo judicial é inteiramente eletrônico.


Nosso E-book


Baixe o e-book “Guia completo para se preparar para um divórcio”. Com certeza vai te ajudar bastante.


Agora, vou ficando por aqui.


Até a próxima.



foto da advogada Maisa Lemos

Meu nome é Maisa Lemos, atuo como advogada de família e sucessões em Goiânia desde 2002 e tenho clientes em todo o Brasil. Presto assessoria jurídica em ações de inventário, arrolamento, divórcio, guarda, pensão alimentícia, sobrepartilha e filiação socioafetiva. Meu foco é sempre a prevenção de litígios e o bem estar dos envolvidos, sobretudo quando há filhos menores de idade.

Sou também mãe do Davi, da Helena e da Clara.

Me siga no instagram: @maisalemoss. Lá eu posto conteúdo quase diariamente sobre direito de família e sucessões.







LEMBRE-SE: este post tem a finalidade apenas de informar. Em nenhuma hipótese substitui a consulta com um profissional do Direito. Converse conosco e verifique as orientações necessárias para o seu caso específico.

8 visualizações0 comentário

Comments


Logo Maísa Lemos
bottom of page